Elaboração, validação de escalas diagramáticas e estudos de monociclo em frutíferas e efeito de diferentes sistemas de condução e períodos de cultivo na intensidade de doenças do maracujazeiro

Resumo

Para que possamos avaliar quais são as melhores medidas de controle para uma determinada doença, desenvolver modelos de dano, estudar quais as condições ambientais que favorecem a epidemia de uma doença, monitorar epidemias e entender a curva de progresso de uma doença, além dos processos fundamentais da biologia do patógeno precisamos ter métodos eficientes para quantificar a doença. A quantificação de doenças de plantas é um ramo da fitopatologia de extrema importância. De nada adiantaria conhecer o patógeno de uma doença se não for possível quantificar os sintomas causados por ele. No entanto, não existe um método de quantificação para várias doenças de importância econômica e com isso impossibilita entendermos sobre a epidemiologia da doença para desenvolvermos medidas de controle para a doença. A melhor forma de quantificação de doenças foliares é por meio da severidade, e para podermos estimar a severidade de uma doença de forma rápida e eficiente temos que elaborar e validar as chamadas escalas diagramáticas. As escalas diagramáticas são representações esquemáticas de folhas com diferentes níveis de severidade da doença. Estas escalas contêm diagramas com diferentes níveis de severidade da doença que são usados para o avaliador balizar suas avaliações, podendo o avaliador estimar valores de severidade diferentes daqueles contidos na escala. Além da quantificação, temos que entender sobre o processo do monociclo das doenças de plantas, dentre eles os mais importantes são a temperatura, molhamento foliar e a luz. Essas informações são informações básicas para entender o progresso da doença no campo, bem como desenvolver modelos de previsão para as doenças de plantas. O maracujazeiro-amarelo (Passiflora edulis flavicarpa Deg.) é afetado por diferentes doenças e isso tem levado a grandes perdas. Informações sobre o efeito dos diferentes sistemas de condução, caramanchão e espaldeira vertical, e os períodos de cultivo, anual e bianual, na intensidade de doenças do maracujazeiro-amarelo ainda não são conhecidos e precisam ser estudados para buscar reduzir os danos causados à cultura pela ocorrência destas doenças ao longo do ciclo produtivo

Coordenador

Henrique da Silva Silveira Duarte

Colaboradores

Louise Larissa May de Mio

Rodrigo Martins Monzani

Marcos Antonio Dolinski

Eliane Aparecida Rogovki Czaja